Sistema Solar

Sistema Solar 

Sistema Solar
Conjunto de nove planetas, seus satélites naturais, milhares de asteroides, meteoroides e bilhões de cometas que gravitam em torno do Sol, além de gás e poeira interplanetários. Localiza-se na galáxia Via Láctea, a cerca de 25 mil anos-luz de seu centro (1 ano-luz mede 9,5 trilhões de quilômetros). A estrela mais próxima do Sol chama-se Proxima e se localiza na Constelação do Centauro, a 4,3 anos-luz.


A formação do Sistema Solar começou há 4, 5 bilhões de anos, de uma imensa nuvem de gás e poeira cósmica, resultado da explosão de estrelas. Quatro ou cinco gerações de estrelas contribuíram para a concentração da matéria-prima transformada, mais tarde, em corpos celestes. A formação demorou 100 mil anos, durante os quais, átomos e partículas minúsculas, presentes na nuvem original, aglutinaram-se em esferas do tamanho de um punho fechado. Em seguida, elas colidiram entre si, grudando umas nas outras até se tornarem planetas, satélites e mundos menores. O Sol agora detém 99,85% do gás e da poeira originais. Júpiter, o maior dos planetas, fica sozinho, com 0,095% do total, e o conjunto de todos os outros planetas, com 0,04%. A massa somada de todos os satélites, cometas e asteroides representa 0,015%.

Os planetas descobertos pelos astrônomos no Sistema Solar são nove: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão. Eles não brilham: só podem ser vistos da Terra por que refletem a luz do Sol. Em torno deles gravitam 136 mundos menores, denominados satélites. Entre Netuno e Plutão encontra-se o chamado Cinturão de Kuiper, do qual Plutão faz parte, composto por milhões de objetos gelados. Os asteroides localizam-se, principalmente, entre as órbitas de Marte e Júpiter. Eles são centenas de milhares e, na prática, incontáveis, porque a imensa maioria é minúscula. O maior que se conhece é Ceres, com 1.032 km de diâmetro; mas se estima que, apenas nessa faixa de tamanho ou maior, existam outros mil asteroides, ainda não observados. Enquanto esses corpos são blocos de rocha, os cometas compõem-se de gelo e poeira aglomerados numa massa pouco densa. Existem centenas de milhões de cometas, agrupados coletivamente em uma esfera que envolve todo o Sistema Solar, a um ano luz do sol, chamada de Nuvem de Oorf. Entretanto, esses cometas nunca foram observados, por causa da distância.

A Lei dos Planetas: A distância dos planetas até o Sol é dada pela chamada lei de titius-bode. Ela funciona da seguinte maneira: 1) escreva a sequência 0, 3, 6, 12, 24, etc. 2) acrescente 4 a cada um dos valores. 3) divida os valores obtidos por 10. O resultado é a sequência 0,4, 0,7, 1,0, 1,6, 2,8, 5,2, 10,0, 19,6 e 38,8, que seriam as casas dos planetas no sistema solar. De fato, a sequência corresponde aproximadamente a distância dos planetas até o Sol em Unidades Astronômicas (1 UA é igual a distância da Terra até o Sol). A única exceção é Netuno, que fica fora e qualquer posição prevista. Embora nenhum planeta ocupe a quinta posição (2,8 UA), lá se encontram os asteroides, também chamados de planetas menores. A lei foi estabelecida empiricamente em 1976, mas até hoje não se sabe se ela representa uma propriedade natural ou se é simples coincidência numérica. Em 2002, no entanto, cientistas franceses chegaram a uma equação matemática para descrever a formação dos planetas que chega mais próxima a uma descrição física do fenômeno. Na prática, a equação demonstrou a possibilidade de que esse fenômeno tenha base natura, mas, por enquanto, os resultados ainda não são conclusivos.

www.megatimes.com.br

Luciano Mende