RIOS DO BRASIL - REGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS

RIOS DO BRASIL - REGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS

Rios do Brasil

O Brasil apresenta uma enorme área territorial e possui uma rede hidrográfica formada por rios extensos e de grande volume de água. No mundo, o país reúne as maiores bacias hidrográficas do planeta.

Regiões Hidrográficas Brasileiras

O Brasil apresenta 12 regiões hidrográficas formadas por diversas bacias hidrográficas, donde estão localizados os principais rios do país: Amazonas, São Francisco, Tocantins, Araguaia, Parnaíba, Paraguai, Paraná, Uruguai, dentre outros. Veja abaixo as principais bacias hidrográficas do país:

Bacia Amazônica

A Bacia Amazônica é a maior bacia hidrográfica do mundo. É formada pelo rio Amazonas e seus afluentes, se estende por uma área de 7.008.307 km², desse total, 3.843.402 de km² estão no Brasil. Ocupa também terras do Peru, da Venezuela, Colômbia, Equador, Bolívia e Guiana.

Seu principal rio, o Amazonas, nasce na Lagoa Mclntyre, no Nevado Mismi, na Cordilheira dos Andes, no Peru, a 5.600 metros acima do nível do mar, segundo pesquisa científica realizada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Em seguida, suas águas correm pelo rio Apurimac e outros afluentes até ser denominado Solimões, na fronteira do Brasil, até o encontro com o rio Negro.

A partir daí recebe o nome Amazonas, formando a maior bacia hidrográfica do mundo. Depois de atravessar, de oeste para leste, a extensa Planície Amazônica, o rio Amazonas deságua no Oceano Atlântico. Ele é considerado o segundo rio mais extenso do mundo e o de maior volume de água.

A rede de afluentes do Amazonas é constituída de rios extensos, como o Purus, o Madeira, o Tapajós, o Xingu, o Negro, Juruá, Jari e muitos outros.

Como a maior parte da região Amazônica possui um clima muito úmido com chuvas em quase todos os meses do ano, a maior parte de seus rios tem um regime equatorial, onde predomina um período de cheias muito prolongado e uma pequena estiagem, o que facilita a navegação.

Em uma região imensa como a Amazônia, os rios desempenham um importante papel na ocupação humana regional. Os habitantes dispersam-se ao longo dos rios, que constituem importante fonte de alimentação, e em grande parte da região, as únicas vias de circulação.

Bacia do Tocantins - Araguaia

A Bacia do Tocantins-Araguaia é a maior bacia hidrográfica totalmente brasileira. Oferece grande parte de seu curso navegável. É a segunda em produção de energia no Brasil, e está situada na Amazônia Oriental.

Se estende por 918.822 km², desde a confluência do rio Maranhão com o rio das Almas em Goiás, até a foz na baía do Marajó, no estado do Pará.

Seus principais rios são o Tocantins e o Araguaia, que se estendem pelos estados de Tocantins, Goiás, Mato Grosso, Pará, Maranhão, além do Distrito Federal. Em seu curso está a ilha do Bananal, no estado de Tocantins, a maior ilha fluvial do mundo.

A Hidrelétrica de Tucuruí, construída no rio Tocantins, no município de Tucuruí, no estado do Pará, é a maior usina hidrelétrica totalmente brasileira. É responsável pelo abastecimento de energia de grande parte dos estados do Pará, Maranhão e Tocantins. Uma eclusa e um canal de 5,5 km, permite a navegação em grande parte do rio.

Bacia do São Francisco

A Bacia do Rio São Francisco, formada pelo rio São Francisco e 158 afluentes, se estende numa área de 640.000 km², ocupando 8% do território nacional, percorrendo os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Goiás e o Distrito Federal, banhando 521 municípios.

O rio São Francisco é o principal curso da Bacia, com extensão de 2.700 km. Ele nasce na serra da Canastra, em Minas Gerais, e depois de percorrer os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe, deságua no Oceano Atlântico, na divisa de Alagoas e Sergipe.

O rio São Francisco apresenta muitas quedas d'água, que são aproveitadas para gerar energia elétrica. Entre as usinas dessa bacia, a de Paulo Afonso, Sobradinho, Xingó e Luiz Gonzaga, fornecem energia que abastece a Região Nordeste, e a de Três Marias que atende a uma parte da Região Sudeste.

O rio São Francisco, com mais de 2.000 Km de trechos navegáveis, é o único rio perene (nunca seca) que atravessa o sertão semi árido nordestino, a região mais seca do Brasil. Suas águas são usadas para a irrigação de plantações. Os outros rios são intermitentes (secam durante uma parte do ano).

Bacia Platina

A Bacia Platina é formada pelos rios Paraná, Paraguai e Uruguai e seus afluentes. No território Brasileiro eles formam bacias fluviais separadas (Bacia do Paraná, Bacia do Paraguai e Bacia do Uruguai), mas se unem no estuário do Prata, entre o Uruguai e a Argentina.

O Rio Paraná apresenta 2.400 km navegáveis e aproxima o Brasil de seus parceiros do Mercosul. Entre os afluentes do rio Paraná destacam-se o rio Paranapanema, o Peixe, o Grande e o Tietê.

A Bacia do Paraná apresenta o maior potencial hidrelétrico instalado no país, entre elas a Usina Binacional de Itaipu, construída em parceria entre o Brasil e o Paraguai. Com a construção de eclusas junto às usinas, a bacia apresenta trechos importantes para a navegação, com destaque para a hidrovia do Tietê.

O rio Paraguai é um típico rio de planície, atravessa o Pantanal Mato-Grossense e é utilizado como hidrovia para escoar o minério de manganês do Maciço do Urucum. Seu maior porto fluvial é o de Corumbá, em Mato Grosso do Sul. O rio Paraguai banha também os países do Paraguai, Bolívia e Argentina.

O rio Uruguai nasce da junção dos rios Canoas e Pelotas, percorre trechos típicos de planalto e trechos de planície entre São Borja e Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, onde é utilizado para navegação. Em seu curso destacam-se as usinas de Garibaldi, no rio Canoas, e Machadinho no rio Uruguai.

Luciano Mende