ECONOMIA DO CONTINENTE ÁRTICO

ECONOMIA DO CONTINENTE ÁRTICO Economia do Continente Ártico 

A Economia do Continente Ártico está relacionada com a utilização dos recursos de formas diversificadas, abrangendo desde a caça e a pesca primitivas de grupos nativos isolados até modernos processos de mineração. A comercialização iniciou-se com a exploração de peixes e mamíferos marinhos e de peles dos animais terrestres. O principal centro pesqueiro é a Groenlândia, que possui um porto especialmente construído para esse fim (Faeringehavn), mas a pesca constitui também atividade econômica importante nas regiões do mar de Barents, Islândia, mar Branco e Ne da Sibéria e do Alasca.

A extração de madeira assume papel de relevo no vale do Mackenzie, Canadá, nos fiordes setentrionais da Noruega e em regiões vizinhas da Finlândia. A indústria ligada á criação da rena (carne, pele e galhada) floresce nas áreas setentrionais da URSS e Escandinávia. Embora os recursos minerais da região sejam grandes, o número de minas em exploração é relativamente pequeno. Explora-se a criolita no SW da Groenlândia; o carvão na baía de Disko e em Svalbard; chumbo e zinco em Mestervig, E da Groenlândia; rádio e urânio no lago do grande urso; e ouro no Alasca.

A mineração na URSS expandiu-se após a 1ª Guerra Mundial, principalmente na península de Kola, no vale do Pechora e no baixo ienissei. A Sibéria oriental possui ouro e diamantes; o sal é extraído no litoral ártico, e o carvão, nos vales dos rios siberianos. Os transportes na região ártica ainda apresentam problemas. As rotas marítimas essenciais são as que ligam o Alasca aos EUA, estendendo-se na direção E para o ártico canadense. O E da Groenlândia mantém, há mais de dois séculos, ligação marítima regular com a Dinamarca. As geleiras do E da Groenlândia dificultam muito a navegação, que é complementada pela aviação. Há também navegação marítima regular entre Svalbard e o N da Noruega, exceto durante o inverno, bem como entre Murmansk e outros pontos da URSS. Os transportes aéreos estão desenvolvidos no Alasca , N do Canadá e Sibéria. Na URSS, onde a ferrovia tem importância fundamental, novas linhas foram estendidas até o vale do Penchora e o rio Obi. No Alasca e no Canadá, a tendência é para a expansão das rodovias.

LUCIANO MENDE Farias