CLÍMAX EM ECOLOGIA

Clímax

Última comunidade ou estágio em que termina uma sucessão vegetal (isto é, que se reproduz e não dá lugar a outra comunidade). O clímax está em equilíbrio com o ambiente, enquanto o clima permanece mais ou menos igual e as forças geológicas não mudam o substrato apreciavelmente. Há vários tipos, entre os quais: clímax edáfico, clímax climático e disclímax. 

(2) Em ecologia é o estágio final da sucessão de uma comunidade vegetal, em certa área, atingida sob determinadas condições ambientais, especialmente as climáticas e pedológicas, na qual a composição das espécies e a estrutura das comunidades bióticas são consideradas estáveis, embora a longo prazo, a evolução e as alterações dos processos ecológicos naturais possam vir a causar mudanças. No clímax ocorre um relativo equilíbrio metabólico entre produção primária e respiração. É o estágio final da sucessão. As diferentes etapas evolutivas de uma sucessão variam de acordo com o início da mesma, mas terminam sempre numa etapa de equilíbrio a que se dá o nome de clímax (MARTINS, 1978). 

(3) Quando o conjunto de seres vivos de um ecossistema estável encontra-se em equilíbrio com o meio (MARGALEF, 1980). 

(4) Fase final de sucessão de um ecossistema em que as comunidades de animais e plantas permanecem em estado relativo de autoperpetuação. 

(5) Biocenose estável, em equilíbrio com o meio; última etapa no processo de sucessão.

Fonte: http://www.klimanaturali.org/

LUCIANO MENDE Farias